sexta-feira, 30 de março de 2012

*A ARTE DA ORAÇÃO*

Toda vez que se ora num lar, prepara-se a melhoria do ambiente doméstico.
Cada prece do coração constitui em emissão eletromagnética de relativo poder, é um grande poder de iluminação interior, mas também um processo avançado de defesa exterior, pelas claridades espirituais que se acendem em torno de si.

A oração é uma “alavanca que move o mundo”.
De fato, quantas pessoas são vitoriosas frente a doenças, mágoas, decepções, injúrias.
A oração as salvou. Quem reza se salva.

A oração é uma ponte.
A pessoa orante é fabricadora de pontes, é pontífice.
Abatem-se os muros e constroem-se pontes com a sabedoria da prece.
Essa ponte vai da terra ao céu e do coração do orante aos irmãos espirituais numa grande conexão.
A escalada da oração é exigente, requer perseverança.
É um combate.

A oração é muralha, é escudo, é proteção, é abrigo, é segurança. Quem reza está imunizado contra muitos males.
A oração nos protege das tentações.
Sem ela caímos na murmuração e abraçamos a tentação.

A oração é escola.
O Mestre interior é a luz que se renova.
Na escola da oração aprendemos a prática do bem, a beleza do perdão, a alegria da convivência e a esperança nas decepções.
A oração nos faz discípulos, iluminados, sábios, humanos e verdadeiros.
Quem ora irradia luz.
Irradia o fulgor de Deus.

A oração enche o orante de audácia e coragem, de força e tenacidade, de luz e compaixão.
Cristo não somente rezava, mas, ensinava a rezar, principalmente a perseverança na oração.
De fato, a oração é inspiração de cada momento, recolhimento do coração, recordação das maravilhas de Deus, é força para a luta cotidiana.
Eis a arte da oração.

A oração é uma rendição diante de nossa insuficiência e da paternidade de Deus. A oração é a fala entre filhos (as) e Pai. Portanto, oração é questão de amizade, é encontro de duas consciências, duas intimidades, duas existências.
Na oração acontece uma troca de olhares, de confidências, de interioridades.
Rezar é um ato de amor, um ato afetivo que inflama o orante de amor ao criador e ao próximo.

De: Marcos Arthur Degregorio